A Gestação na mulher com deficiência: Gestante e Mãe

Diz um provérbio muito antigo, que o bom filho a casa torna… E assim, depois de um longo tempo longe dessa família – chamada Revista Reação – e, com muita saudade e garra, que o tempo não conseguiu apagar, estou de volta. Nesse tempo, estive longe só fisicamente, mas sempre acompanhei a evolução dessa publicação que vi nascer. Enfim, tudo passou e aqui estou eu de volta, trazendo matérias e assuntos focados na informação, saúde, lazer e a família da pessoa com deficiência. E a família começa aqui, na concepção, na gestação…. na mãe!

Para início de conversa, quero deixar claro que toda mulher (menininha, moça, mulher e senhora) são todas iguais. Claro, algumas diferenças sempre existem, como: estatura, peso, idade, país de origem, a genética e outras. Mas são todas “mulheres”!

E aqui nessa edição, vamos falar da mulher Gestante… gestante e com deficiência. Qual a reação de uma PcD quando sabe que está grávida? Como ela deve reagir?

A primeira coisa a ter em mente é que o fato de constatar que está em estado de gestação você – futura mãezinha – não está doente e sim, apenas e tão somente, está grávida. E isso é um dom dado por Deus, nosso Criador, para as mulheres…

Então, procure curtir cada momento durante esses meses de transformações do seu corpo, onde tudo muda, por exemplo: pele, cabelos, hormônios, etc.

Tenha isso como o primeiro momento da felicidade plena. Sinta-se bela, principalmente saudável, pois se você não sabe, esse é o período de saúde mais perfeito da mulher e, além disso deixa a “mãezinha” mais bonita.

Não se deixe levara pelos falatórios das comadres, da família, daqueles pseudo amigas e outras, que por inveja ou falta de noção, ficam dizendo que você engordou, que a maternidade acaba com o seu corpo, que você vai sofrer, que terá problemas para cuidar de uma criança… enfim, deixe isso tudo para lá. Viva intensamente e curta sua gravidez, se possível, sempre junto do seu companheiro, da sua família e dos seus amigos de verdade, que te apoiam. É sempre bom estar junto daqueles que lhe são queridos.

Outra dica importante é: nunca deixe de ter seu médico por perto e seguir suas orientações sempre à risca!

Agora, vamos falar um pouquinho de alguns pontos que uma mãe com deficiência tem que tirar de letra.

Um deles nós até já citamos aqui: sabemos muito bem os problemas de preconceito que você “talvez” encontre, por ser uma pessoa com deficiência e ainda por cima, por estar grávida. como se gravidez para uma PcD fosse um pecado ou um fardo. Então amiga “mãezinha”, use sua capacidade de autodefesa, infle a sua autoestima e, não permita que nada e ninguém estrague sua alegria de estar grávida!

Use sempre que possível, roupas leves e confortáveis no inverno e no verão. Hoje, felizmente as sapatilhas são muito usadas, o uso de sandálias presas nos calcanhares dão grande estabilidade, segurança, e o tênis, lhe darão conforto, mesmo sendo cadeirante ou se você é usuária de algum tipo de aparelho.

Tenha sempre em mente que você é um “tão mulher como qualquer outra”. Quanto à alimentação, procure comer: verduras, frutas, peixes… beba muito líquido, evite refrigerantes ou comidas muito gordurosas.

Mantenha seu asseio diário, enfim, como já disse a grávida não está doente e sim GRÁVIDA.

Quanto à recreação… ao lazer… procure ter atividades mais calmas, tranquilas, lúdicas… como ler um bom livro, assistir bons filmes. Na TV, veja programas alegres, entrevistas, que sempre ou quase sempre acrescentam algo, desenhos animados sim, e porque não? Mude aos poucos a sua rotina.

Na medida do possível, vá ao cinema, ao parque, uma praça ao ar livre, ou simplesmente dê uma volta no quarteirão, seja e aparente ser feliz! Cumprimente as pessoas com um sorriso. Isso são pequenas coisas que vão trazer prazer ao seu dia a dia e passarão bem estar ao serzinho que está sendo formado dentro de você.

Hoje, numa vida tão acelerada e conturbada todos nós, muitos nos esquecemos até de sorrir. Tenha maior aproximação com a sua família, com suas amigas que lhe dão atenção, carinho, afeto… sempre conviva com quem lhe dá prazer e que curta contigo a sua gravidez.

Volto a repetir, você mulher com deficiência – seja ela qual for – procure ajuda com as pessoas queridas de seu relacionamento, também, quando for ao seu médico, seja franca e amiga… confie nele e diga realmente como se sente, tire suas dúvidas, pergunte. Procure saber se há algum curso para pré e pós-parto, participe deles, recomendo que façam isso.

Como diz a música do saudoso Gonzaguinha “viver e não ter a vergonha de ser feliz”… Viva! Sinta! Seja Feliz!!!

Ah! Já ia me esquecendo: nas apostilas do meu curso chamado “Mater Gloria Est = A Gloria de Ser Mãe” – Pré e Pós Parto há muitas décadas já dedicava na primeira página o seguinte: “Agradeço aos meus pais, que me ensinaram os princípios de Deus e da Educação. A meu marido Armando, que realizou-me como mulher e a minha filha Cristina, que deu-me a felicidade de ser MÃE!.

Que Deus lhe abençoe nesse momento tão divino… e, continue conosco!.

 

Por Célia Buratto

Extraído da Revista Reação – Ano XVlll – Nº 104 – Maio/Junho 2015

Ortopedia São José
Ortopedia São José

Comentários